Ruínas da bilbioteca de Holland House, em Londres, pós bombardeio em 1940
A vida é uma causa perdida,  Reportagem

Pequena biblioteca do fim do mundo

rico machado*

Pequena lista de livros essenciais para compreender as condições e os desafios impostos pelo novo regime climático planetário, diante do aquecimento global e da catástrofe ambiental.

A terra inabitável – David Wallace Wells (São Paulo: Companhia das Letras, 2019)

Capa terra inabitável

O ritmo lento atribuído à mudança climática é um mito; talvez tão pernicioso quanto aquele que nega sua existência por completo. Mortes por calor, fome, enchentes, queimadas, queda da qualidade do ar, desertificação, colapso econômico… Essa é só uma amostra do que está por vir. E a mudança acontecerá muito rápido. Se não revolucionarmos por completo o modo como vivem bilhões de seres humanos, partes extensas do planeta se tornarão inabitáveis, e outras serão inóspitas, ao fim deste século que vivemos.

Onde aterrar? – Bruno Latour (Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020)

Capa Onde aterrar

Diante do cenário atual, em que enfrentamos os trágicos efeitos de uma crise sanitária global, a proposta do antropólogo e filósofo Bruno Latour de partir da perspectiva ecológica para compreender as transformações de nossa época parece incontornável. Neste que é o seu mais recente livro, traduzido em mais de dezoito línguas, Latour apresenta uma contundente análise do contexto geopolítico contemporâneo partindo da conexão entre fenômenos raramente relacionados: o afrouxamento das regulamentações governamentais, a explosão das desigualdades sociais, o colapso ecológico, o negacionismo climático e a ascensão do populismo.

Há mundo por vir? – Déborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro (Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2014)

Capa Há mundo por vir

O fim do mundo é um tema aparentemente interminável — pelo menos, é claro, até que ele aconteça. O registro etnográfico consigna uma variedade de maneiras pelas quais as culturas humanas têm imaginado a desarticulação dos quadros espaciotemporais da história. Algumas dessas imaginações ganharam uma nova vida a partir dos anos 90 do século passado, quando se formou o consenso científico a respeito das transformações em curso do regime termodinâmico do planeta. Os materiais e análises sobre as causas (antrópicas) e as consequências (catastróficas) da “crise” planetária vêm se acumulando com extrema rapidez, mobilizando tanto a percepção popular quanto a reflexão acadêmica. Este livro é uma tentativa de levar a sério os discursos atuais sobre o “fim do mundo”, tomando-os como experiências de pensamento acerca da virada da aventura antropológica ocidental para o declínio, isto é, como tentativas de invenção, não necessariamente deliberadas, de uma mitologia adequada ao presente.

Tecnodiversidade – Yuk Hui (São Paulo: Ubu, 2020)

Capa Tecnodiversidade

O livro reúne os principais textos do filósofo da tecnologia, Yuk Hui, uma das figuras mais influentes no debate sobre tecnologia, inteligência artificial e o que ele chama de “cosmotécnicas”, tecnologias desenvolvidas em contextos locais, particulares, que conteriam as saídas para a atual crise ecológica, política e social mundial. A tecnologia foi sempre pensada como um conhecimento universal, resultado do processo de superação da dependência do homem de seus órgãos. Não há uma única tecnologia, mas sim uma tecnodiversidade – uma multiplicidade de cosmotécnicas que diferem umas das outras em seus valores, epistemologias e formas de existência. A superação da conjuntura atual, marcada por uma crise ecológica e moral, depende de uma política de decolonização em benefício de uma pluralidade de cosmotécnicas que poderão contribuir para a criação de novos futuros tecnológicos. Eis como a cosmotécnica ganha uma dimensão cosmopolítica.

Ideias para adiar o fim do mundo – Ailton Krenak (São Paulo: Companhia das Letras, 2019)

Capa Ideias para adiar o fim do mundo

Neste livro, o líder indígena critica a ideia de humanidade como algo separado da natureza, uma “humanidade que não reconhece que aquele rio que está em coma é também o nosso avô”. Essa premissa estaria na origem do desastre socioambiental de nossa era, o chamado Antropoceno. Daí que a resistência indígena se dê pela não aceitação da ideia de que somos todos iguais. Somente o reconhecimento da diversidade e a recusa da ideia do humano como superior aos demais seres podem ressignificar nossas existências e refrear nossa marcha insensata em direção ao abismo.

A vida não é útil – Ailton Krenak (São Paulo: Companhia das Letras, 2020)

Capa A vida não é útil

Crítico mordaz à ideia de que a economia não pode parar, Krenak provoca: “Nós poderíamos colocar todos os dirigentes do Banco Central em um cofre gigante e deixá-los vivendo lá, com a economia deles. Ninguém come dinheiro”. Para o líder indígena, “civilizar-se” não é um destino. Sua crítica se dirige aos “consumidores do planeta”, além de questionar a própria ideia de sustentabilidade, vista por alguns como panaceia.

Arts of Living on a Damaged Planet: Ghosts and Monsters of the Anthropocene – Org. Anna Tsing (Minnesota: University of Minnesota Press, 2017)

Capa Arts of living in a damagem planet

Viver em um planeta ferido desafia quem somos e onde vivemos. Esta antologia oportuna convida 20 pensadores eminentes para revitalizar a curiosidade, observação e conversa transdisciplinar sobre a vida na terra. Como a mudança ambiental induzida pelo homem ameaça a habitabilidade multiespécies, Arts of Living on a Damaged Planet apresenta uma proposta ousada: histórias emaranhadas, narrativas situadas e descrições densas oferecem urgentes “artes de viver”. Estão incluídos ensaios de estudiosos em antropologia, ecologia, estudos científicos, arte, literatura e bioinformática que postulam ferramentas críticas e criativas para a sobrevivência colaborativa em um Antropoceno mais do que humano.

Doutor em Cultura e Significação no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Jornalista de formação, é mestre em Comunicação pela Unisinos onde também fez Especialização em Filosofia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *